Sem dinheiro nos cofres: Prefeito de Iguatu, Ednaldo Lavor herda dívida de Aderilo Alcântara.

4526

“Encontramos uma prefeitura com muitas dificuldades financeiras e uma cidade com problemas em praticamente todas as áreas” disse Ednaldo.

O prefeito de Iguatu, Ednaldo Lavor (PDT), recebeu em seu gabinete a imprensa na manhã deste sábado (7), para esclarecer as dívidas deixadas pela ex-gestão e como esta a real situação da prefeitura.

Segundo o prefeito de Iguatu, Ednaldo Lavor (PDT), não existe condições para se governar o município da forma como recebeu. “Tomei essa decisão, juntamente com o vice-prefeito, Marcos Sobreira por inúmeros motivos. Os servidores estão com pagamento atrasados, no hospital regional de Iguatu, ate a alimentação para os pacientes esta faltando, bem como vários tipos de medicação, entre outras que estão citadas no decreto” destacou o prefeito.

sem-dinheiro

Sem dinheiro nos cofres, a nova administração Ednaldo Lavor e Marcos Sobreira buscam meios de contornar a grave situação financeira em que se encontra o município, ao mesmo tempo, assegurar a continuidade dos atendimentos à população sem perder a qualidade dos serviços.  “É dever dos governantes garantir o equilíbrio entre receita e despesas públicas, a nossa tarefa é fazer com que áreas como saúde, educação e a assistência social continuem funcionando, assim como assim como os demais setores da administração”, explica o prefeito Ednaldo Lavor.

ednaldo-e-marcos-sec

Cofre vazio

Segundo o relatório do TCM a dívida da prefeitura, até o mês de novembro, já somava o montante de 53 milhões de reais em dívidas, sendo 13 milhões somente ao INSS. Além desse valor o ex-gestor, Aderilo também não pagou parte do salário dos servidores, o que resulta em mais 2,5 milhões de reais  (aproximadamente) em dividas só com atraso salarial de servidores

Examinar as contas

Uma comissão especial está sendo instituída para examinar as contas a pagar e averiguar se o que não foi empenhado chegou a ser realizado e se os valores estimados das determinadas dívidas estão corretos. A medida, segundo o prefeito, foi adotada porque a ex-administração não deixou recursos disponíveis para honrar os compromissos assumidos.

Repatriação

Mesmo não sendo previsto no orçamento anual, ele comprou 275 armários e materiais de escritório torrando os recursos que poderiam ter sido investidos na saúde do município ou até mesmo no pagamento dos servidores.

Outra irregularidade: o ex-gestor recebeu verbas do MAC, Farmácia Popular, FMS e UPA, totalizando 1.067.834,52 reais, além de 2.838,40 e 17.441,08 do Bolsa Família.

Todos esses recursos recebidos nos últimos dias da gestão passada, o ex-prefeito gastou indevidamente distribuindo cheques indiscriminadamente, e de modo irresponsável, alegando pagamentos suspeitos..

Segundo a normativa 01/2016 do TCM, a prestação de contas e conferência de caixa da antiga gestão deveria ser entregue até o dia 31 de dezembro, mais até a presente data nada foi apresentado.

Providências

– Decreto declarando estado de calamidade pública na administração financeira.

_ Corte de 7  (sete) secretarias,
– Todos os pagamentos precisarão pareceres da Procuradoria.
– Os bens imóveis da prefeitura serão recadastrados.
– Todas as contratações feitas sem licitação serão revistas.
– Todas as secretarias municipais serão obrigadas a reduzir gastos.
– Um Grupo de Trabalho vai modernizar a Administração Tributária Municipal.
– Um Grupo de Trabalho vai buscar o reequilíbrio financeiro .
– Todos os servidores públicos municipais serão recadastrados.
– Todas as despesas assinadas pelo prefeito anterior terão a eficácia suspensa.
– Todas as terminações do TCE serão cumpridas.

paga-prefeito-2

Aluguel superfaturado

A ex-gestão deixou uma divida com aluguel público de R% 100 mil, ainda mais 7 milhões (aproximadamente) em contas de água de diversos estabelecimentos públicos devidos ao SAAE.

Segundo informações dadas anteriormente pelo próprio ex-gestor, o valor atual do caixa da prefeitura seria de 1.600.000,00 reais. Esse valor ainda precisa ser comprovado devido a falta de acesso às contas bancárias, algo que deverá ser resolvido nos próximos dias.

Autor: Rogério Ribeiro/Fotos: RRinterativo