Salve Deus! Participamos de ato inter-religioso virtual

135

Salve Deus meus Irmão e Irmãs em Cristo Jesus! Eu Adjunto Nurã, Mestre Rogério Ribeiro, participei deste rico momento tivemos voz para fala um pouco da nossa Doutrina do Vale do Amanhecer, bem como da discriminação, ofensas e intolerância religiosa que nós Jaguares sofremos diariamente. Quero agradecer ao meu Adjunto Aleiro, mestre Freire que autorizou a minha participação e todos que vibraram para este grande momento.

Na noite desta sexta-feira (28/8), aconteceu um inter-religioso virtual, realizado pelo Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos-CEDDH, onde 14 pessoas de credos diferentes se posicionaram a favor da diversidade religiosas. O evento teve por objetivo se manifestar contra o racismo e contra a intolerância religiosa, todos foram unânimes ao defender mais tolerância, diálogo e compromisso com a fé, amor e ter mais humildade

Estamos vivendo tempos de intolerância, inclusive religiosa. Há discussões polarizadas sobre tudo, incluindo religião. Não tenho dúvidas, porém, que o discurso inter-religioso é fundamental para que esta realidade se transforme.

O verdadeiro discurso inter-religioso é estar disponível para ouvir e explicar, sem proselitismo ou imposições. É querer conhecer, verdadeiramente, as crenças e os costumes religiosos diferentes dos seus. E, nesta caminhada, é muito bom quando descobrimos como temos pontos em comum: a valorização da vida; a defesa da paz e da justiça social; a importância da prática da caridade e da preservação da natureza.

Quando as religiões querem se conhecer e dialogar descobrem que não se trata, apenas, de combater a intolerância religiosa. Juntas, elas podem atuar, até, na construção de uma sociedade melhor, mais justa e humana.

Intolerância religiosa virtual

A intolerância religiosa virtual vem ganhando destaques, a perseguição religiosa, com isso os crimes de ódio ferem a liberdade e a dignidade humana, esses crimes vem se alastrado, De todo modo, as muitas práticas de intolerância religiosa demonstram falta de respeito às diferenças e às liberdades individuais e que, devido à ausência de conhecimento e de informação, podem levar a atos de intolerância, de perseguição e de violência.

Queremos um mundo que as pessoas apreciem e respeitem a diversidade cultural, natural e religiosa. A criação da delegacia é só um pequeno passo, uma pequena semente. É dever do governo proteger as pessoas.

Delegacia

Que essa delegacia possa envolver os crimes praticados contra pessoas, entidades ou patrimônios públicos ou privados, cuja motivação seja a intolerância religiosa.

É inviolável a liberdade de consciência religiosa e de crença

 Art. 5, VI – é inviolável a liberdade de consciência religiosa e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias (grifo meu)

Mas não bastou apenas a constituição falar sobre a liberdade de consciência religiosa e de crença, pois ainda continuamos com os atos de preconceito, porém o Código penal, destinou um artigo que fala sobre os crimes contra o sentimento religioso, comportando assim, sanções penais para os mesmos, no que diz:

Art. 208, do Código Penal: Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou pratica de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso

Intolerância religiosa

São terreiros destruídos, são pessoas sendo atingidas, as ciganas não podem entrar em um comercio que são vigiadas, a maioria da imprensa julga e condena os Povos Ciganos, como boa parte da sociedade,  os uniformes que usamos na Doutrina do Vale do Amanhecer é durante criticado na internet, além dos palavrões  e até acusações levianas

Encaminhamentos

Criar protocolo com os Princípios através do Fórum de Diálogo Interreligioso, que definira seu objetivo como sendo o de proporcionar um espaço de discussão de propostas de políticas públicas voltadas para a garantia da “liberdade religiosa” dos vários segmentos religiosos.

Caminhada representativa pela “liberdade religiosa”

OBS:  Neste ato eu estava representando minha religião e o Paulo Cigano vice-presidente do ICB que é umbandista, espiritualista e conselheiro Cigano, representou o Povo Cigano. Quero deixar bem claro que Cigano não é religião, o conselheiro nacional do ICB, Joaquim Cigano é Evangélico.

Caucaia, ce, 29 de agosto de 2020

Adjunto Nurã, mestre Rogério Ribeiro