Carnaval é cultura: Prefeito Zé Hélder e Dr. Fabricio Rolim se reuniram com secretário de cultura

1117

 “O Carnaval é uma vitrine de Várzea Alegre. E, mais uma vez, mostramos muito bem nossa cidade para o Estado e para todo o País” destacou Zé Hélder.

O prefeito de Várzea Alegre, Zé Hélder (PMDB), acompanhado do vice-prefeito, Dr. Fabricio Rolim, Subsecretário da cultura, Alécio Dias e assessores, se reuniram na tarde desta quarta-feira (14/6) com Secretário da Cultura do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba.

Na oportunidade Zé Hélder falou da potencialidade do carnaval do município, onde abrangem três regiões o Cariri, Vale do Salgado e Centro-sul do estado cearense.

Zé Hélder ainda ressaltou o aspecto econômico da folia varzealegrenses, uma das maiores e mais animadas de todo o Cariri, Vale do Salgado e Centro-sul do estado cearense.  “O comércio movimenta, os restaurantes movimentam e o ambulante trabalha. Ou seja, as pessoas estão relacionadas economicamente com o carnaval e temos que estimular isso, estimular a cultura. Nosso estado tem potencial gigantesco”, finalizou.

O secretário Fabiano Piúba, ficou impressionado com a cultura carnavalesca do município e defende que os projetos, geridos pelo modelo de organizações sociais, também busquem na iniciativa privada alternativas de financiamento. “Não vão faltar incentivos para o desenvolvimento da cultura local, em parceria com o governo do estado através de editais de cultura para as prefeituras, que será lançado em agosto pelo governador Camilo Santana” disse o secretário.

Para o vice-prefeito Dr. Fabricio Rolim, “É uma festa popular, que o varzealegrense gosta, se orgulha e que também atrai muitos turistas a nossa cidade”, observou.

De acordo com o Subsecretário da cultura de Várzea Alegre, Alécio Dias, “A formatação de projetos viabiliza a inclusão social permitindo que as escolas de samba possam se tornar polos de cultura, lazer e aprendizado” destacou Dias.

As agremiações

As agremiações carnavalescas: Esurd – Escola de Samba Unidos do Roçado de Dentro, Mocidade Independente do Sanharol e Império Candenciando.

A existência desses laços marca a possibilidade de uma organização coletiva que visa à promoção do desenvolvimento local.

Lei Rouanet

Atualmente, 80% dos projetos culturais apoiados pela Rouanet se concentram na Região Sudeste. Em seguida, vem a Região Sul, com 11% dos recursos captados. A Região Nordeste capta 5,5%. A Centro-Oeste, 2,6%. O Norte fica com apenas 0,8% dos recursos captados.

Com a mudança, projetos integralmente realizados nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste terão um teto maior, de R$ 15 milhões por projeto. Os custos de divulgação também podem ultrapassar os 20% do valor do projeto e chegar a 30%.

Autor/Fotos: Rogério Ribeiro