ANA LIBÓRIA – Alunos reivindicam mais uma vez reforma da escola

749

 O deputado Joaquim Ruiz é presidente da Comissão de Educação e conduziu a reunião

A reforma emergencial da Escola Estadual Ana Libória foi tema de uma reunião da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa de Roraima, após sessão plenária desta terça-feira, 21. Além de uma comissão formada por alunos da instituição de ensino, pais, professores e governo do Estado também participaram das discussões.

Uma carta denúncia foi entregue ao presidente da Comissão, deputado Joaquim Ruiz (PV), onde consta um relatório minucioso da real situação da área física do prédio. O vice-presidente da Comissão Marcelo Natanael (PRB), e os deputados Chicão da Silveira (PDT) e Soldado Sampaio (PC do B) acompanharam as negociações.

Um amplo entendimento com o governo vai priorizar a reivindicação da comunidade estudantil. “Os estudantes devem mesmo cobrar o que é direito deles. Discutimos aqui a reivindicação do Ana Libória e as ações emergenciais já estão sendo definidas”, argumentou Ruiz.

A secretária adjunta da Educação, Geórgia Amália Freire Briglia, explicou que a burocracia foi o grande entrave no processo de reforma da escola. “A parte burocrática da liberação dos recursos do governo federal atrapalhou muito. Mas quero dizer que essa reforma emergencial não foi motivada pela manifestação dos alunos, pois a licitação para as obras tramita desde o início do ano”, ponderou a secretária.

Este também foi o entendimento do secretário de Infraestrutura, Carlos Briglia. “Mais do que ninguém queremos resolver logo esse assunto. Os alunos estão pleiteando o que é de direito deles. Tudo depende dos recursos do orçamento e eles só foram liberados em abril”, afirmou. O contrato da obra és estimado em pouco mais de 1 milhão de reais e vai contemplar toda a parte física do prédio.

Pais e alunos fizeram um relato preocupante das condições da parte estrutural da escola. “A situação é revoltante e perigosa. Nós temos o direito constitucional de estudar e o poder público deve dar essas condições”, desabafou uma aluna.

Secom/ALE-RR/ Foto: Charles Wellington