Em visita ao CAPS III, vereadores constataram a falta de estrutura e medicação.

400

Não é de agora que órgãos públicos envolvendo a saúde na cidade de Iguatu vêm sendo alvo de denúncia por parte da população.

Para observar e fiscalizar os serviços disponibilizados pela unidade de saúde do Centro de Atenção Psicossocial (CASP III), localizada no bairro Padro, in loco o presidente da Câmara Municipal de Iguatu-CMI, vereador Rubenildo Cadeira (PRB), o vice-presidente, Rômulo Fernandes (PT) e a vereadora Cida Albuquerque (PCdoB), realizaram uma verificação, nas condições estruturais e de atendimento aos usuários do CASP III.

De acordo com os parlamentares a estrutura da unidade não atende, onde detectaram a falta de comodidade tanto para os usuários como para os servidores se tornando precárias, as entradas dos leitos dos usuários não têm portas, nas salas e nos leitos não tem ventilação, apenas no consultório dos médicos e os banheiros um cheiro insuportável.

Segundo Rubenildo Cadeira, “Observamos que a estrutura física do prédio deixa muito a desejar. Colhemos muitas reclamações das pessoas que utilizam os serviços do CASP III, para que possamos solucionar esses problemas” disse Rubenildo.

A vereadora Cida Albuquerque lembrou, “O que temos aqui são pessoas necessitadas, que precisam de um apoio constante, com um atendimento mais próximo” constatou.

O vereador Rômulo Fernandes, “Não temos problemas quanto à equipe técnica que é formada por psicólogos e assistente sociais, mas a estrutura é defasada”, salienta.

Denúncia

casp den

Alguns responsáveis por usuários relataram que constantemente alguns medicamentos estão faltando o Carbamazepina, Clonazepam, Levozine e Diazepam.

É o caso de Dona Maria Raimunda, mãe de uma usuária, 40 anos, moradora do Sitio Várzea da Lama, “não falta médicos nem psicólogos o que tem faltado é os medicamentos. Como vamos fazer continuação de um tratamento sem remédio e sem dinheiro pra comprar?”.

Autor/Fotos: Rogério Ribeiro