No Tocantins menores representam metade dos casos de desaparecidos

100289

Apesar da redução de casos gerais em 2012, polícia emite alerta sobre o perigo de aliciamento através da internet

Um dado interessante revelado pelo balanço de desaparecimentos no Estado revela que mais da metade dos desaparecidos eram menores de 18 anos. Foram 261 desaparecidos com idade entre zero e 17 anos em 2012, o que representa 50,8% das pessoas desaparecidas no ano passado. Em 2011, menores de 17 anos representaram 55,2% (269) dos casos de pessoas desaparecidas em 2011. No geral, diminuiu o número de desaparecimentos denunciados às delegacias do Tocantins no ano passado. Foram 368 desaparecimentos em 2012, cerca de 10% a menos que as 409 pessoas desaparecidas em 2011, segundo informou a Secretaria de Segurança Pública (SSP). No entanto, a situação ainda é preocupante.

Segundo o diretor de Polícia da Capital, delegado Hélio Lima, muitos dos desaparecimentos de menores se referem a fugas causadas por envolvimento com drogas ou conflitos familiares. Conforme ele, na maioria dos casos eles acabam retornando, mas nem sempre os familiares dão baixa nas queixas registradas. Entretanto, o delegado alertou para a gravidade dos casos envolvendo aliciamento de menores através da internet. “Uma adolescente foi aliciada pela internet e, por interceptações telefônicas, localizamos em São Paulo vivendo como uma escrava”, relatou. Lima ainda explicou que outro caso semelhante levou à polícia a localizar uma adolescente em Goiás. Ambos os casos ocorreram em 2012, sendo as duas jovens de Palmas. O delegado aconselha que os pais tenham cuidado e supervisionem os filhos nos acessos à internet. “Deve haver controle pelos responsáveis. Nessas redes sociais há ainda os pedófilos de plantão. Por isso, é preciso ter orientação e fiscalização dos pais.”Com relação à localização de pessoas, o balanço mostra que, em 2012, 70% das pessoas desaparecidas foram localizadas. Enquanto em 2011, foram localizados 65% dos desaparecidos.

Mobilização

Acontece no próximo dia 28, em Porto Nacional,  uma passeata de mobilização para a busca e defesa de crianças desaparecidas. O movimento é organizado por Zulmira Cardoso, uma mãe que teve o filho desaparecido há 25 anos. A ação faz parte da Semana Nacional de Mobilização para a busca e defesa de crianças desaparecidas, instituída na lei nº 12.393.

Ajude a fazer uma familia feliz, sua denuncia pode salvar uma vida, disque 100.

Números

2011 Desaparecidos: 409 4 Faixa etária 0 a 17 anos: 226 (representa 55,2% dos desaparecidos) Localizados: 269 (65%) 2012 Desaparecidos: 3684 Faixa etária 0 a 17 anos: 187 (representa 50,8% dos desaparecidos) Localizados: 261 (70,9%) Desaparecimentos em Palmas 2012 Desaparecidos: 180 4Faixa etária 0 a 17 anos: 122 (representa 67,7% dos desaparecidos)

Fonte: SSP

Onde procurar

O primeiro lugar onde procurar uma pessoa desaparecida é próximo ao local de desaparecimento, pergunte a todos, aqueles que se encontram no local e aqueles que estão passando pelo local;- Se for durante um trajeto, faça e refaça o trajeto, perguntando a todos se tem alguma informação, pare e entre em todos os comércios, bares, postos de gasolina, no trajeto e pergunte a todos;  Procure na casa de  parentes; Procure junto a  todos os amigos, de escola e de trabalho, de preferência, vá pessoalmente; Visite todas as delegacias de polícia, plantões policiais, os hospitais, os pronto-socorros, as clínicas, o Corpo de Bombeiros (e o resgate), o institutos médico legal de sua cidade ou das cidades do trajeto da pessoa desaparecida. Se não encontrar, registre o boletim de ocorrência informando às autoridades o desaparecimento da pessoa, não é necessário esperar 24 horas; Faça o cadastro da pessoa desaparecida no Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas (CNPD). O site é www.cnpd.org.br.

Fonte: SSP/CNPD/Foto: divulgação