A RBPC apresenta para a deputado Luizianne Lins o “Projeto Dia Nacional da Mulher Cigana”.

131

A Rede Brasileira dos Povos Ciganos-RBPC, através do seu presidente, cigano Rogério Ribeiro, apresento para a deputada federal Luizianne Lins, presidente da Comissão de Direitos Humanos, Minorias e Igualdade Racial da Câmara dos Deputados.

De acordo com o presidente da RBPC, Cigano Rogério Ribeiro,” A ideia foi prontamente aceita pelo Marcelo Vacite, filho da Homenageada e do saudoso Mio Vacite. é muito importante, também, resgatar a luta histórica das mulheres ciganas, através, da dança, da música, do artesanato, da quiromancia, da culinária trazendo a origem” destaca o presidente que agradeceu o empenho e a atenção que a deputada Luizianne Lins e seu gabinete tem dedicado a esse pleito.

A deputada Luizianne Lins recebeu a proposta da RBPC, e destaca, “O objetivo é valorizar a trajetória da saudosa cigana Kalderash, Jordana Tereza Aristides, e, também, para prestar uma sincera e honrosa homenagem a todas as ciganas do Brasil, tenho certeza que meus nobres colegas deputados e deputadas, e nosso presidente Artur Lira, iram aprova essa justa homenagem” disse a deputada.

O que diz o projeto

 O projeto que institui o Dia Nacional da Mulher Cigana. O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica instituído o Dia Nacional da Mulher Cigana, a ser comemorado, anualmente, em 16 de janeiro.

Art. 2º No Dia Nacional da Mulher Cigana os Poderes Públicos, sem prejuízo das políticas públicas permanentes, realizarão:

I – Campanhas educativas de promoção da cultura e desconstrução de estereótipos relacionados a mulheres ciganas;

II – Formação e sensibilização de agentes públicos da área de segurança pública, saúde, educação, assistência social, cultura, economia, gênero, raça e outros, acerca das mulheres ciganas de todas as etnias.

III – Veiculação de mensagens relativas ao Dia Nacional da Mulher Cigana em seus canais institucionais, com a participação das mulheres ciganas de todas as etnias.

Art. 3º Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

 Justificativa

Jordana Tereza Aristides: cigana kalderash, nascida no Estado de São Paulo.
Foi a primeira cigana a se tornar Miss São Paulo e ser classificada como modelo sênior do estilista Zózimo.

Se tornou ativista cigana ao lado de Mio Vacite, pai de seus filhos, Marcelo Vacite e Ricardo Vacite; ainda nos anos 80 e 90 participou de clips, filmes e produziu uma série de espetáculos divulgando a cultura cigana. Foi premiada em Praga pelo programa desenvolvido pela Associação Internacional de Proteção à criança cigana da Europa do leste e, recebeu no Brasil diversos títulos beneméritos. Foi consultora de Glória Perez ao lado de Mio Vacite, para a primeira novela temática cigana da Rede Globo: ” Explode Coração”.
Jordana Aristides era seu nome romanô , filha de ciganos do clã kalderash e horarranê, foi precursora da da dança do povo Roma no Brasil, produzindo o primeiro espetáculo no Teatro Municipal do Rio de Janeiro.
Jordana Aristides divulgou a cultura cigana na literatura nacional com a obra ” Tchatchimos duredo romanô” – a verdade sobre as nossas tradições.
Sua última contribuição para a cultura cigana, foi participar do grupo de pesquisas da Escola de Samba Pérola Negra com o enredo ” Bartali Rcherain: A estrela cigana brilha na Pérola Negra trabalho este que será apresentado no Carnaval de São Paulo em 2020.

Autor: Ascom-RBPC:Fotos> divulgação