Veja trechos do depoimento à PF de Maristela Temer, filha do presidente

91

O blog teve acesso ao depoimento da filha do presidente Michel Temer, Maristela Temer, à Polícia Federal. Ele prestou o depoimento no último dia 4. Leia trechos abaixo:

Começa relatando que a sugestão de procurar Lima para ajudá-la nas reformas da casa foi feita pelo pai, “tendo em vista que JOÃO BAPTISTA era amigo de seu pai e também proprietário de empresa de arquitetura e engenharia, no caso, a ARGEPLAN”.

Segundo ela, após uma reunião preliminar com Lima e Maria Rita Fratezi, os dois ficaram responsáveis por realizar cotações do projeto de reforma. Segundo ela, as primeiras cotações ficaram em valor muito elevado, acima de R$ 1 milhão. Por isso ela teria pedido à amiga Nayara Mármore que fizesse o tal orçamento de R$ 900 mil, mas que ainda ficava caro (ela pagou R$ 900 mil pela casa). Segundo ela, Maria Fratezi então recomendou a ela que fizesse a reforma por conta própria e se dispôs a ajudá-la. Maristela disse “que aceitou ajuda de MARIA RITA FRATEZI, tendo em vista que tinha com tal pessoa uma relação afetiva, quase familiar.”

Assim, a reforma foi feita com algum projeto (ela disse não saber qual foi usado, mas imagina que tenha sido elaborado por Fratezi). Segundo ela, a reforma consistiu em “troca do revestimento do banheiro, alteração do local da escada de acesso à edícula, localizada no fundo do imóvel, troca do telhado por inteiro, ampliação da sala com a retirada de uma parede, alteração da fachada, pintura geral do imóvel, troca de portas e janelas, entre outros itens menores.” Segundo ela, os armários antigos foram aproveitados e readequados.

Maristela relatou que Maria Rita Fratezi “comparecia eventualmente na obra para verificar o seu andamento” e que uma pessoa indicada para realizar parte da obra, chamada VISORDI ou VISANI, teria sido paga pela própria Maristela, mas que “não se recorda do valor pago.” Neste momento, ela “aproveita para esclarecer que alguns pagamentos da obra foram realizados diretamente por MARIA RITA FRATEZI, em função de descontos que a mesma possuía junto às empresas do ramo, por MARIA RITA ser arquiteta. QUE posteriormente, a declarante ressarcia MARIA RITA de tais despesas; QUE reitera que a declarante nunca contratou de fato MARIA RITA FRATEZI para executar a obra, de forma remunerada pela depoente por tal serviço, sendo que a relação de MARIA RITA com a depoente sempre foi de auxílio nas necessidades de obra.”

Maristela diz não se recordar dos nomes dos prestadores de serviços e “QUE a empresa ARGEPLAN não exerceu nenhum papel na reforma da residência da declarante e afirma a declarante que eventual auxílio foi recebido diretamente de JOÃO BAPTISTA LIMA FILHO e, em especial, de MARIA RITA FRATEZI.” Diz ainda “QUE não tem o conhecimento se o dinheiro que MARIA RITA FRATEZI utilizava para a realização de pagamentos para fornecedores era da empresa ARGEPLAN, mas acredita que não faria sentido MARIA RITA utilizar recursos da empresa para tais pagamentos, uma vez que classifica a relação entre a depoente e MARIA RITA como pessoal.”

Maristela não reconhece nenhum dos nomes de outros depoentes apresentados a ela e diz “QUE não se recorda do valor exato gasto na reforma de sua residência, mas pode afirmar que custeou as obras com aproximadamente quinhentos mil reais remanescentes da venda do antigo imóvel, empréstimos bancários, não se recordando os valores e mais cem mil reais que a depoente solicitou emprestado de sua mãe; QUE ainda utilizou uma reserva de aproximadamente sete mil dólares que possuía guardado; QUE também utilizou na obra parte da remuneração recebida de sua atividade profissional e, inclusive, naquela ocasião, a depoente recebeu vários pagamentos em espécie de seus pacientes, na sua atividade profissional; QUE também não se recorda o valor total destes recursos que repassou em espécie; QUE, somando superficialmente os valores, acredita ter gasto algo em torno de R$ 700.000,00 (setecentos mil reais) na obra.”

Ela diz ainda que “não possui e não guardou nenhum comprovante dos pagamentos e contratos eventualmente realizados durante e para a execução da reforma de sua casa”. (p. 79) Depois disso, ela diz acreditar que os orçamentos (de R$ 1,3 milhão e R$ 1,6 milhão) apreendidos na Argeplan e apresentados sejam os que foram apresentados à ela na época, mas que a obra não ocorreu como previsto neles. Disse ainda não se lembrar do recibo da Ibiza, apresentado a ela e apreendido na Argeplan, e diz que “não havia uma rotina de prestação de contas formal de MARIA RITA FRATEZI para a depoente e quando MARIA RITA realizava algum pagamento, informava à declarante, que por sua vez providenciava o ressarcimento, uma vez que em algumas ocasiões repassava para MARIA RITA FRATEZI também em espécie.”

Por fim, ela negou que Fratezi ou Lima a tenham auxiliado em qualquer outra obra e reiterou que o presidente Michel Temer “não custeou qualquer despesa relacionada a obra na residência da declarante, tampouco repassou recurso ou mesmo orientação para que JOÃO BAPTISTA LIMA FILHO, por meio de suas empresas ou com o auxílio de sua esposa, MARIA RITA FRATEZI, para que arcassem com qualquer custo direto ou indireto na obra da residência da declarante.”

Autor: Da redação com Andréia Sadi e Marcelo Parreira/Foto: Divulgação