Secretária de Governo de Caucaia debate utilização da água do Lagamar do Cauípe

52

A secretária de Governo e Articulação Política de Caucaia, Erika Amorim, participou nesta sexta-feira (10/11) de debates durante audiência pública realizada na Câmara Municipal que tratou da utilização da água do Lagamar do Cauípe. Lá também estiveram representantes da Companhia de Gestão de Recursos Hídricos do Estado do Ceará (Cogerh), da Superintendência de Obras Hidráulicas (Sohidra), da comunidade local, além de vereadores.

Na ocasião, a representante do executivo municipal sugeriu a formalização de acordo com a intervenção do Ministério Público entre a comunidade local e o Governo Estadual para garantir a total legalidade do processo.

Preocupada com a insatisfação da população da região, Erika destacou a importância do debate. “Apesar de não ser competência do município legislar sobre os recursos hídricos, entendemos que o assunto é delicado e por isso fizemos a proposta da realização de debates. Somente dessa forma a população vai ficar segura e tranquila em relação ao projeto”, enfatiza.

Erika também lembrou que, acompanhada do prefeito Naumi Amorim, esteve reunida no último mês de setembro com o secretário estadual de Recursos Hídricos, Francisco Teixeira, para debater o projeto de utilização da água do Lagamar do Cauípe.

A diretora de Operações da Cogerh, Débora Rios, explicou que o projeto pretende captar a água do Lagamar do Cauípe no período da sangria para evitar o desperdício e reforçar o abastecimento da Região Metropolitana de Fortaleza. “Nosso objetivo é buscar uma solução para o grave problema no abastecimento de água que estamos passando. Se chover pouco, nosso abastecimento só está garantido até o mês de junho do ano que vem”, comenta.

Já o presidente da Associação dos Moradores do Planalto Cauípe, Paulo França, reivindicou explicações sobre os impactos do projeto para os moradores da região. “Estamos preocupados se a retirada da água vai ser apenas na época da sangria. Achamos que o projeto vai gerar um impacto ruim na região e não vai resolver o problema de abastecimento da região”, pontua.
Autor: Da redação com Ascom/Foto: Rogério Ribeiro.