Polícia Civil esclarece morte de cabelereiro em Caracaraí

232

Dois adolescentes de 17 anos confessaram a autoria do assassinato do cabelereiro Francisco Lopes Assunção, 49, mais conhecido por “Lopes”, ocorrido na cidade de Caracaraí. O corpo foi encontrado por volta das 8 horas do dia 30 de abril, no interior da residência da própria vítima, localizada no bairro São José Operário. Ele foi morto a golpes de faca.

A vítima mantinha um salão de cabelereiro em sua residência e os vizinhos estranharam que desde a sexta-feira, 26, o local estava fechado. Lopes não foi visto durante todo o final de semana e os vizinhos foram até sua casa e no quintal ao perceberem um forte odor decidiram chamar a Polícia. O corpo estava despido e em adiantado estado de decomposição.

O delegado Clayton Alexandre Ellwanger informou que logo após a informação de que o corpo do cabelereiro foi encontrado, diligências apontavam a autoria para os dois adolescentes que foram vistos na casa da vítima. Várias buscas foram feitas na cidade, mas os dois não foram encontrados.

Os familiares do acusado mantiveram contato com o Conselho Tutelar da cidade e os conselheiros intermediaram a entrega dos dois, que aconteceu na manhã desta quinta-feira, 02.

Segundo o delegado, os dois adolescentes disseram que a vítima tinha convidados os dois para beber em sua casa e eles foram ao local. A vítima, que era homossexual, teria tentado assediar os dois, que o repeliram.

“Eles disseram que empurraram o Lopes, que reagiu e tentou agredi-los. Foi quando pegaram uma faca que estava à mesa e lhe aplicaram um golpe, que o atingiu no ombro. Como a vítima continuou lutando e tentando pegar a faca que caiu no chão, eles tomaram a faca e foi aplicado um golpe no abdome e fugiram em seguida”, disse o delegado.

O delegado disse que está finalizando o caso e entregará os procedimentos ainda hoje na Comarca de Caracaraí, onde os dois adolescentes serão apresentados.

“Os dois confessaram a autoria do crime e alegaram que foi em legítima defesa. Disseram que estão arrependidos e que não imaginaram que tinham matado o cabelereiro. Disseram que a vítima ofereceu comida a eles e foi tomar um banho. Quando retornou estava de toalha e tentou assediá-los. Lopes, segundo eles, trancou a casa para que não saíssem. Eles lutaram para fugir do assédio, mas que não tinham a intenção de matá-lo. Inclusive decidiram se entregar depois que souberam que ele morreu”, contou.