“O Autismo possui graus de intensidade e gravidade”, diz Psicóloga.

342

clinicaO apoio da família é importante e fundamental um para o outro, por isso a necessidade de procurar ajuda de um especialista, para aprender a lidar com a rotina diária.

Veja a entrevista com a Psicóloga Geyssy Fany:

 RRInterativo: Quais são alguns dos sinais precoces relacionados com a linguagem que a criança pode estar no espectro do autismo?

Geyssy Fany: O autismo é uma desordem comportamental causando comprometimento no relacionamento e interação com outras pessoas, apresentando comportamento restrito e movimentos repetitivos. Cada pessoa com autismo têm características próprias, alguns sinais importantes que podem ser percebidos no ambiente familiar, social e escolar é o relacionamento com outras pessoas. É importante ressaltar que o diagnóstico deve ser feito por profissionais especializados, a partir de utilização de técnicas próprias.

RRInterativo:Quais são as características clássicas do autismo, em termos bem simples, para que o público possa compreender?

Geyssy Fany: O contato visual com outras pessoas é ausente ou pouco frequente; o relacionamento ou o que acontece em sua volta pode ou não despertar interesse. A fala é usada com dificuldade, ou pode não ser usada, pode ser resistente a mudanças em sua rotina, e pode também se apegar a determinados objetos e passar horas fazendo o mesmo movimento. Se a criança apresentar prejuízo da comunicação, é preciso utilizar outros métodos disponíveis para estabelecer algum tipo de comunicação.

RRInterativo: Quais são alguns desafios das comunicações enfrentados pelas crianças no espectro do autismo?

Geyssy Fany: O Autismo possui graus de intensidade e gravidade, varia de pessoa para outra, dependendo do quadro de autismo. Para crianças com autismo mais grave, seu meio de comunicação podem ser não verbais, podendo utilizar técnicas de comportamento para se comunicar.

RRInterativo: Quais os direitos das pessoas com autismo?

Geyssy Fany: As pessoas com autismo sejam elas crianças, adolescentes ou adultos, têm os mesmo direitos que qualquer pessoa. Acrescentando a Proteção do Estatuto da Criança e do Adolescente, que é uma proteção específica para a criança que está em desenvolvimento, que necessite de escola, saúde, atendimento especializado.

RRInterativo: O que os pais podem fazer para ajudar seus filhos autistas aprenderem a se comunicar de forma mais eficaz?

Geyssy Fany: Para ajudar o filho na comunicação, primeiramente os pais devem saber o quadro que o filho está, e com ajuda de um especialista os pais podem desenvolver estratégias de comunicação em situações diárias.

RRInterativo: Se um pai suspeita que seu filho está no espectro, como ele deve sobre como obter ajuda com terapia da fala?

Geyssy Fany: Na suspeita que o filho tem autismo, é importante obter ajuda o mais rápido possível. Quanto mais cedo à intervenção, melhores os resultados para as crianças diagnosticada com Autismo.

RRInterativo: A interdição pode ser feita em qualquer idade ou tem que ser feita após os 18 anos?

Geyssy Fany: Após os 18 anos, antes disso a pessoa com autismo ainda é dependente dos pais.

RRInterativo: Qual é a importância da família no contexto da atenção aos autistas?

Geyssy Fany: O apoio da família é importante e fundamental um para o outro, por isso a necessidade de procurar ajuda de um especialista, para aprender a lidar com a rotina diária.

RRInterativo: A obrigação de matrícula nas escolas, por exemplo, é uma prática coerente e necessária, na opinião do senhor?

Geyssy Fany: O grande problema é a dificuldade de encontrar uma escola que tenha uma atenção especializada para receber uma criança com autismo. A escola não pode recusar a matrícula, mas a questão é colocar uma criança com autismo em escola regular sem ter profissionais capacitados para utilizar métodos de aprendizagem adequado.

Da redação