“Ninguém aguenta mais a situação do país!” diz Cida Ramos.

87

 Trabalhadores e trabalhadoras da Paraíba!

Nós, que vivemos do suor do nosso trabalho, vamos parar o Brasil e a Paraíba, nesta sexta-feira, dia 14 de junho. Todas as centrais sindicais convocaram uma greve geral.

Trabalhadores e trabalhadoras estão unidos. As notícias que me chegam das assembleias são de adesão ativa à greve. Começa-se a criar um clima de paralisação em todo o país.

Os motivos da greve são mais que justos. Ninguém aguenta mais a situação do país! Alguma coisa precisa ser feita! Ninguém suporta mais os 13 milhões e meio de desempregados no Brasil. Se somarmos com os 16 milhões de trabalhadores informais, sem os direitos da CLT, e os que nem emprego procuram mais, o número sobe para 29 milhões de trabalhadores brasileiros subutilizados. É o número mais alto da história.

Nem sempre foi assim. Para se ter uma ideia, em 2013, o nosso país tinha uma taxa de desemprego de 4,5%, que na época era a mais baixa da América Latina. Hoje, temos uma das maiores taxas do mundo.

Tudo isso acontecendo no mundo real e o governo Bolsonaro inerte, sem apresentar respostas concretas para estancar a crise econômica e resolver o problema do desemprego.

As pessoas já perceberam que Bolsonaro não governa para a maioria do povo, mas para os endinheirados. Governa para servir aos interesses dos grandes banqueiros e dos Estados Unidos. Por isso, através do ministro Paulo Guedes, encaminhou essa reforma da Previdência ao congresso, que retira direitos dos trabalhadores rurais, dos deficientes físicos, das mulheres, da juventude, dos funcionários públicos, de todos os trabalhadores e da classe média.

Pior, Bolsonaro e Paulo Guedes pretendem retirar o capítulo da previdência da constituição e implantar no Brasil um novo sistema de previdência, o sistema da capitalização, que segundo dados da Organização Internacional do Trabalho, não deu certo em nenhum lugar do mundo.

Historicamente, quando o país vai mal, a classe operária entra em cena para reivindicar seus direitos. Agora é a vez dos trabalhadores, dos professores, dos comerciários e estudantes. Todo apoio à greve nacional de sexta-feira, 14 de junho.
Cida Ramos
Deputada Estadual