Mancha Verde é a campeã do carnaval de SP pela 1ª vez

365

Escola levou o troféu com homenagem a Aqualtune, avó de Zumbi dos Palmares, e sua luta pelos direitos de negros e mulheres.

A Mancha Verde é a grande campeã do carnaval 2019 de São Paulo. É o primeiro título da escola. Vai-Vai e Acadêmicos do Tucuruvi foram rebaixadas.

O G1 acompanhou ao vivo a apuração das notas, que aconteceu na tarde desta terça-feira (4), diretamente do Sambódromo do Anhembi. Veja aqui.

A escola levou o troféu com desfile sobre a princesa africana Aqualtune, avó de Zumbi dos Palmares, e discutiu escravidão, direitos de negros e mulheres e intolerância religiosa na avenida.

“Eu tenho muito orgulho de fazer parte da Mancha. Atribuição [da vitória] é para todos nós. E graças a Deus o presidente [Paulo Serdan] teve cabeça fria e trouxe o Jorge Freitas [carnavalesco da escola]. Parabéns, Jorge!”, comemorou o vice-presidente da escola, Rogério Carneiro.

Em seu primeiro ano na Mancha Verde, após títulos na Gaviões da Fiel, na Rosas de Ouro e na Império de Casa Verde, o carnavalesco Jorge Freitas trabalhou com a ideia de enredo dada pelo presidente da escola, Paulo Serdan.

“Fizemos uma grande contratação, que foi o Jorge de Freitas”, disse Serdan. “Conversamos com ele há um tempo, mas a gente não tinha condição de dar a qualidade de ele desenvolver o trabalho. E esse ano deu. O Jorge vale cada centavo que a gente paga por ele. Só vai sair da Mancha o dia que ele quiser.”

A rainha de bateria Viviane Araújo festejou a vitória da escola. “Ganhamos! Eu queria estar lá com todo mundo, estou muito feliz. Foi lindo, a gente fez um trabalho lindo a escola se preparou para isso o ano todo, o Paulo investiu muito nesse carnaval e é merecido, a Mancha mereceu. Eu queria abraçar todo mundo, festejar com todo mundo, com a Puro Balanço, minha bateria… Estou muito feliz e sexta-feira vamos fazer mais uma festa no Anhembi”, disse ela ao G1.

Vitória no último quesito

A Acadêmicos do Tatuapé, que ganhou os dois últimos carnavais de São Paulo, liderou a disputa nos oito primeiros quesitos. No nono, o de alegoria, porém, a escola perdeu pontos e foi ultrapassada pela Mancha, que levou o troféu. A Tatuapé acabou em sétimo lugar.

Trajetória no carnaval de SP

Em 2018, a Mancha ficou na terceira colocação, atrás da campeã Acadêmicos do Tatuapé e da vice Mocidade Alegre, apenas por causa dos critérios de desempate. A escola retornou ao Grupo Especial em 2017, quando ficou em décimo lugar.

Ranking de títulos no carnaval

Rebaixada neste ano, a Vai-Vai é a maior campeã do carnaval de São Paulo, com 15 títulos conquistados. Em segundo, está a Nenê de Vila Matilde, com 11, seguida de Camisa Verde e Branco e Mocidade Alegre, com 9 cada uma.

A Rosas de Ouro, que ficou em terceiro lugar na disputa em 2019, tem 7 títulos. Já a vice Dragões não tem nenhum vitória no carnaval. A Mancha, que também nunca tinha ganhada antes deste ano, tem um título. Veja todas as vitórias, ano a ano.

Desfile das campeãs

Na sexta-feira (8), a Mancha Verde vai fechar o Desfile das Campeãs no Sambódromo do Anhembi.

Também vão desfilar as outra quatro escolas mais bem classificadas após a apuração realizada nesta terça: Dragões da Real, Rosas de Ouro, Unidos de Vila Maria e Império de Casa Verde, além da campeã e vice do Grupo de Acesso, que serão conhecidas ainda nesta terça.

O Desfile das Campeãs começa às 21h da sexta. Os ingressos estão disponíveis no site da Liga.

Destaques do desfile

  • Viviane Araújo completou seu 13º ano como rainha da bateria, vestida como uma princesa africana
  • Uma ala tinha passistas com mãos acorrentadas e barrigas de grávidas, representando escravas reprodutoras. Outra tinha um mar vermelho de sangue dos escravos
  • O último carro mostrava o quilombo dos Palmares, com direito a um busto de Zumbi, neto de Aqualtune
  • A agremiação, que foi criada a partir da torcida organizada do Palmeiras, botou seus 3.000 componentes para retratar abusos sofridos pelos negros africanos trazidos para o Brasil e obrigados a abandonar suas religiões.
  • O gigantesco carro abre-alas retratava as riquezas do Congo e de Oxalá, um dos orixás das religiões africanas. No recuo, a bateria vestida como guerreiros africanos inaugurou plataformas para elevarem os diretores, que regem os ritmistas.
  • Nos carros, atores encenavam momentos de tortura e punições aos quais os escravos eram submetidos no Brasil. No último deles, um enorme busto de ferro, que será doado ao Museu Afro Brasil, representava Zumbi dos Palmares.

Autor: Da redação com  G1/Fotos: Fabio Tito/G1