Fórum Social Mundial 2018: Associação Cigana de Caucaia se solidariza com os movimentos negros que propõem a macha antirracista.

212

O Fórum Social Mundial é um processo de caráter mundial. Todos os encontros que se realizem como partes desse processo têm dimensão internacional.

Alguns militantes e organizações negras de todo o Brasil tem proposto a construção de uma marcha contra o racismo, para ser realizada dentro do Fórum Social Mundial de 2018, em Salvador entres os dias 13 a 17 de março de 2018, um espaço plural e diversificado, não confessional, não governamental e não partidário, o Fórum Social Mundial-FSM, se articula de forma descentralizada, em rede, entidades e movimentos engajados em ações concretas, do nível local ao internacional. Resistir é Criar, Resistir é Transformar – lema da edição 2018, pela construção de um outro mundo possível.

Nesse sentido, militantes, organizações e movimentos negros do estado do Ceará reuniram pela primeira vez, na noite desta terça-feira (12/12), na FACED/UFC, onde trataram do assunto, com a presença de alguns segmentos.

Momento propício

O momento em que o mundo e seus organismos internacionais, olham a capital da Bahia, é um momento bastante propicio para levantar bandeiras importantes na luta contra o racismo no Brasil, e com esse objetivo organizações no Ceará antecipando sua luta promove essa reunião com ativistas e representantes de diversos movimentos negros cearenses, como Movimento Negro Unificado – MNU; docentes e representantes discentes da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – UNILAB; Núcleo de Africanidade Cearense – NACE; ativistas da Política de Igualdade Racial no Ceará, entre outros movimentos de apoiam a causa na luta contra o extermínio de negros e negras.

 

A coordenadora do NACE, Sandra Petit, descreve o Fórum como uma oportunidade muito profícua para levar o povo e dá uma cara negra a essa marcha e realmente garantir que ela aconteça. “O mais importante é a mobilização e o trabalho de base, levar as pessoas a fazer essas discussões levando propostas da própria marcha para o contexto do fórum, sobretudo num momento político atual onde vemos muitos negros apoiando candidatos racistas, machistas” destacou a coordenadora que acrescentou “Vamos levantar a bandeira antirracista e marcar o momento, a partir dessa marcha acontecerão outras mobilizações e articulações. O momento é favorável para darmos uma visibilidade e um impacto e que nós saímos de lá fortalecidos como povo” lembrou Sandra.

Ciganos apoiam

Dentre elas a Associação de Preservação da Cultura Cigana de Caucaia- ASPRECCC, na pessoa do Presidente, o Cigano e Jornalista Rogério Ribeiro e da secretária, Renata Célia Oliveira, além de sindicalistas e movimentos sociais.

A Associação de Preservação da Cultura Cigana de Caucaia – APRECCC apoia a causa antirracista e se solidariza com o movimento negro e se posiciona radicalmente contra o extermínio a população negra que acontece diariamente em todo o país, “Haja vista também assim como os quilombolas, sofrer com a discriminação enquanto povos e comunidades tradicionais como índios, ciganos, povos de terreiros, sendo visível e muitas vezes com pouca divulgação midiática que não divulga tal massacre o que não significa que isso não acontece” destacou o presidente que acrescentou “Prepararemos a nossa carta do Povo Cigano do estado do Ceará, para ser entregue no FSM” definiu.

O Fórum

O Fórum Social Mundial é um espaço aberto de encontro para o aprofundamento da reflexão, o debate democrático de ideias, a formulação de propostas, a troca livre de experiências e a articulação para ações eficazes, de entidades e movimentos da sociedade civil que se opõem ao neoliberalismo e ao domínio do mundo pelo capital e por qualquer forma de imperialismo, e estão empenhadas na construção de uma sociedade planetária orientada a uma relação fecunda entre os seres humanos e destes com a Terra.

Debate produtivo

Na reunião aconteceu um debate produtivo com ideias sobre como se desenharia a marcha, ficando deliberando a formação de comissões: de comunicação, de mobilização, de infraestrutura e finanças, e de conteúdo político e ainda ficou deliberada uma nova data para dia 19/12 dá continuidade ao planejamento organizacional da marcha.

O Fórum Social Mundial é um momento de grande visibilidade, momento de manifestar nossas bandeiras de lutas brasileiras das minorias que atualmente se encontram massacradas em seus direitos com esse governo atual.

Autor/Fotos/Ascom/ASPRECC.