Engenheiro diz que recebeu quase R$ 1 milhão de empresa do coronel Lima por obra na casa de filha de Temer

73

O engenheiro Luiz Eduardo Visani, dono da construtora Visani Engenharia, disse em depoimento à Polícia Federal que sua empresa recebeu cerca de R$ 950 mil, em dinheiro vivo, da Argeplan para executar reforma na casa de Maristela Temer, filha do presidente Michel Temer.

A Argeplan é uma empresa de engenharia cujo proprietário é o coronel aposentado João Baptista Lima Filho, amigo do presidente. É a primeira vez que um fornecedor da obra confirma aos investigadores detalhes sobre a participação da Argeplan na reforma da casa de Maristela Temer.

O Blog procurava contato com a assessoria do Palácio do Planalto até a última atualição da publicação.

Visani prestou depoimento no dia 29 de maio ao delegado Cleyber Malta Lopes em uma delegacia da PF localizada no Aeroporto de Congonhas (SP).

O engenheiro contou ao delegado que sua empresa foi responsável por tocar a primeira fase da reforma do imóvel de Maristela, que fica em Alto de Pinheiros, bairro nobre de São Paulo.

Segundo o depoimento, já no início das obras, Visani disse ter sido informado que se tratava de reforma do imóvel de Maristela Temer. Ele disse ter se encontrado com Maristela na obra por quatro vezes, mesma frequência com que diz ter se reunido com o coronel Lima. Visani não soube dizer à PF se Temer chegou a visitar o imóvel nesse período.

Entre novembro de 2013 e março de 2015, Visani disse ter recebido um total de R$ 950 mil da Argeplan. Os pagamentos, segundo o engenheiro, foram realizados mensalmente em dinheiro vivo na sede da Argeplan. Os contratos e os recibos estavam no nome de Maristela, de acordo com o depoente.

De acordo com Visani, quem comandava os gastos da obra era a esposa do coronel Lima, Maria Rita Fratezi. O engenheiro estima no depoimento que o valor total da obra tenha sido de pelo menos R$ 1,5 milhão.

O depoimento de Luiz Eduardo Visani e os documentos apresentados por ele à PF contradizem versão de Maristela.

A filha de Temer depôs à Polícia Federal em maio deste ano e disse que a Argeplan não exerceu nenhum papel na reforma.

Maristela afirmou à época que tinha uma relação quase que familiar com Maria Rita Fratezi e que não faria sentido a esposa do coronel Lima usar dinheiro da Argeplan para pagar os fornecedores da obra.

Visani apresentou diversos documentos à PF. Entre eles: uma planilha de orçamento feita pela Visani Engenharia que tem como cliente Maristela; edital de concorrência da Argeplan com o endereço da casa de Maristela; recibos mensais no nome de Maristela do pagamento feito a Visani Engenharia no valor de R$ 71 mil.

Detalhes do depoimento

O dono da Visani Engenharia afirmou que em em setembro de 2013 recebeu um telefonema do coronel.

O engenheiro relatou que o coronel se identificou como “Lima da Argeplan” e pediu que Visani fosse até a sede da construtora.

De acordo com o depoimento, Lima teria dito a Visani que estava pesquisando orçamentos para a reforma de uma casa no Alto de Pinheiros. Lima, então, teria perguntado se o arquiteto estaria interessado em oferecer uma proposta de orçamento para a obra.

O coronel, segundo o engenheiro, chegou a dizer para Visani que quem estava comandando a obra era sua esposa, Maria Rita Fratezi. No depoimento, ele diz que se reuniu com Lima e Maria Rita no escritório da empresa de engenharia. De acordo com Visani, o coronel lhe explicou que esse tipo de obra, reforma de um imóvel, não era a “área de atuação” da Argeplan.

Segundo o depoimento de Visani à PF, Maria Rita Fratezi teria afirmado que as primeiras plantas apresentadas para a casa foram projetadas por uma arquiteta de outra empresa, a DeUniE Arquitetura. Maria explicou que como a profissional, chamada Nayara, estava grávida, teve que abrir mão do projeto.

Visani relatou ao delegado Cleyber Malta que não chegou a conhecer a arquiteta da DeUniE e que como a planta era muito “preliminar”, ele pediu a mulher de Lima que elaborasse um projeto mais detalhado.

Maria Rita Fratezi, de acordo com o depoimento, desenhou uma planta mas depois terceirizou o serviço. Uma arquiteta chamada Danyella assumiu o projeto.

Coronel Lima, então, teria esclarecido a Visani que a obra seria dividida em duas fases: fase 1 (demolição e construção de estruturas) e fase 2 (instalação de pisos, sistema elétricos, hidráulicos e acabamento).

Depois, segundo o engenheiro, ele começou a negociar os detalhes da reforma diretamente com Maria Rita. O custo da primeira fase da obra chegou a ser estimado em R$ 730 mil, de acordo com o depoimento.

Nesta parte da obra, segundo ele, dois terraços foram construídos na casa, inclusive uma entrada exclusiva independente para um consultório no piso superior, a pedido da filha do presidente.

Luiz Eduardo Visani disse à PF que não chegou a apresentar orçamento para a fase 2 pois, segundo ele, Maria Rita optou por não renovar com a empresa do engenheiro.

No depoimento ele disse que, apesar de deixar claro que não iria contratar novamente a Visani Engenharia, a esposa do coronel Lima pediu a Luiz Eduardo que fizesse um orçamento da fase 2 apenas como um “apoio civil” e indicasse alguns funcionários.

A equipe indicada por Visani, segundo o próprio engenheiro, era comandada por Onofre Jesus Gimenes Secchi, que, segundo o arquiteto, se apresentava como funcionário da Argeplan.

A equipe, cedida da empresa da Visani, era formada por um pedreiro dois ajudantes e um encarregado. Todos respondiam a Maria Rita. O engenheiro diz ter recebido R$ 245 mil pelo apoio dado na segunda fase da construção.

Autor: Da redação com Andréia Sadi e Sara Resende/Foto: Divulgação