Em Assembleia Geral, Deputada Cida Ramos reafirma que universidades não irão ceder às chantagens do Governo Federal.

137

A deputada estadual Cida Ramos (PSB/PB) participou, na tarde desta segunda-feira (22), de uma Assembleia Geral na Universidade Federal da Paraíba (UFPB) para discutir o Programa Future-se, proposto pelo Ministério da Educação e Cultura do governo de Jair Bolsonaro.

A parlamentar afirmou para professores, alunos, técnicos administrativos, representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Ensino Superior do Estado da Paraíba (SINTESPB) e da Associação dos Docentes da UFPB (ADUFPB), que sem a autonomia das Universidades e Institutos Federais, não há soberania. “Nós já enfrentamos outros governos que queriam destruir as universidades públicas desse país, por isso, com toda a convicção, afirmo que o programa Futere-se é uma grande fake news, porque na realidade o que nós estamos enfrentando é um gravíssimo contingenciamento. A UFPB não vai compactuar com um programa que almeja mascarar a ausência de verbas e de investimentos nas instituições de ensino superior”, disse.


Cida Ramos que é professora de Serviço Social da UFPB, ainda destacou que a real intenção do Future-se é a venda e entrega do patrimônio para o capital financeiro. “Não podemos subestimar esse presidente e a sua equipe, mas eu afirmo que eles jamais terão a capacidade de luta e de mobilização do povo paraibano e brasileiro. Essa grande Assembleia é apenas uma amostra do que nós vamos fazer em todas as ruas do nosso país, para reafirmar a luta por uma educação pública, gratuita e de qualidade. Estarei, nos próximos dias, convocando uma Sessão Especial na ALPB, para discutir esse nova tentativa de desmonte da educação” frisou.

A reitora da UFPB, Margareth Diniz, salientou que a instituição participará, nos próximos dias, de uma reunião com os 63 reitores de federais, para tratar de forma conjunta, sobre o futuro das universidades. “Juntos nós somos muito mais fortes, e é com essa determinação e união que nós iremos dizer não ao Future-se. Além disso, precisamos de uma ampla mobilização junto aos parlamentares federais para que eles reafirmem os compromissos com a educação”, enfatizou.

O diretor da ADUFPB, Cristiano Bonneau, declarou que identificou inúmeras questões que expressam retrocessos. “É fundamental que a categoria discuta essa proposta e construa as lutas e resistências necessárias a mais esse ataque às Universidades Federais. O projeto ao invés de expressar ampliação da autonomia universitária, representará exatamente o oposto, pois pretende esvaziar os espaços democráticos e destruir a autonomia das universidades”, finalizou.


O Future-se é um programa que cria um fundo de natureza privada, com cotas negociadas na Bolsa de Valores, para financiar as Universidades e Institutos Federais. O projeto foi apresentado na última quarta-feira (17) e será colocado em consulta Pública pela internet até 7 de agosto. Diversas instituições de ensino e categorias educacionais já se colocaram contrários a iniciativa por considerá-la um retrocesso sem precedentes.

Autor: Da redação com ascom/foto: ascom