Diálogo: Ciganos apresentam demandas e ações para Procurador da República

210

A exclusão e o preconceito sempre acompanharam os ciganos por onde quer que eles passem.

Representantes da Associação de Preservação da Cultura cigana do Estado do Ceará-(ASPRECCE) se reuniram na tarde desta terça-feira (22/05), com o procurador-chefe do Ministério Público Federal no Ceará, Dr. Rômulo Moreira Conrado.

O presidente da ASPRECCE, o cigano calon, Rogério Ribeiro, fez um breve relato sobre a entidade e seus objetivos como coletar, registrar sistematizar e divulgar informações sobre a evolução das características, culturais, sociais, histórias e tradições do povo de etnia Cigana, bem como mapear as comunidades no estado do Ceará, que hoje está presente em 36 municípios cearenses, “Enquanto a sociedade continuar a desconhecer a história dos ciganos e nossos hábitos seremos ainda um povo desconhecido e, por isso, suscetível à discriminação, preconceito e a marginalização” disse Ribeiro que convidou o procurador para o I encontro estadual das comunidades ciganas do estado do Ceará, nos dias 24 e 25 de maio, no Cetrex de Caucaia, vale ressalta que o dia 24 de maio é dia cigano nacional e de  Santa Sara, padroeira dos ciganos.

O procurador, explicou que o MPF faz questão de respeitar as identidades culturais de cada um dos povos e comunidades tradicionais, existentes no Ceará, bem como prima pela defesa da legalidade dos atos. “Cada comunidade tem a sua história, cultura e necessidades próprias. Com relação o prédio da Refesa do Distrito de Catuana, podermos verificar como se encontra o pedido da associação junto o DNIT” esclareceu Dr. Rômulo.

A Vice-presidente da ASPRECCE, a cigana Maira Aline Nunes, saiu da reunião muita otimista, “O procurado ouviu atentamente nossas ações, e informou que o MPF, tem um núcleo especifico para atender os ciganos quilombolas e índios” disse Maira.

Para a segunda secretária, a cigana Janiele Lucino, a reunião foi muito produtiva, “Avalio que tivemos uma reunião muito positiva e em breve teremos uma solução para atender as demandas do povo cigano”, falou Janiele.

Algumas demandas e ações

 Implantação do primeiro museu cigano no Brasil;

Analisar o estatuto do Cigano;

Debater e construir indicativos destinados às políticas públicas;

Implantação dos núcleos regionais;

Inserção das comunidades ciganas em versão específica do Programa “Minha Casa, Minha Vida”.

Promover a regularização fundiária destinada ao povo Cigano;

Implantação da escola voltada para a cultura cigana do Estado do Ceará, que tem como objetivo alfabetizar jovens, adultos e idosos de cultura cigana,

Concursos públicos específicos para professores de Povos e Comunidades tradicionais;

Valorização do dialeto (chibi) cigano;

Regulamentar a categoria de professores de Povos e Comunidades tradicionais;

Implantação do Brasil Alfabetizado nas comunidades ciganas do Ceará;

Garantir a implantação da Resolução nº 3 de 2012, para o povo cigano;

Capacitar professores e servidores da educação para o atendimento com os Povos e comunidades tradicionais;

Reivindicar um instrumento jurídico que garanta acesso às escolas os povos e comunidades tradicionais.

Autor/fotos; ASCOM/ASPRECCE