Denunciados por homicídio são sentenciados a 20 e a 18 anos de prisão

84

Em sessão do Tribunal do Júri ocorrida no dia 28/03, o Juízo da 5ª Vara do Júri sentenciou, após o veredito do Conselho de Sentença, o denunciado Waldenísio Nazário Batista Júnior, a 20 anos de reclusão e o comparsa dele, Antônio Roberto Martins Freitas, a 18 anos de reclusão, pelo assassinato, em concurso material de crimes, do motorista autônomo Marcelo Gomes Cabral, em 13/1/2016. A sentença atendeu, parcialmente, à denúncia oferecida pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), através do promotor de Justiça com atuação perante a 5ª Vara do Júri. O magistrado denegou o direito de os réus recorrerem em liberdade.

O crime ocorreu no dia 13 de janeiro de 2016, no bairro Lagoa Redonda, em Fortaleza, pelo motivo torpe de vingança. A vítima, que trabalhava fazendo transportes, fretes e viagens, teria se recusado a pagar danos em dois veículos, em decorrência de acidente de trânsito ocorrido no Centro da Capital, no dia 14/12/15. Um dos veículos pertencia ao réu, Waldenísio Nazário Batista Júnior, que confessou o crime de homicídio. Por sua vez, o réu Antônio Roberto Martins Freitas Filho, nascido em 27/7/1996, tinha, ao tempo de crime, menos de 21 anos de idade.

De acordo com a denúncia do MPCE, os denunciados, agindo de forma livre, consciente e em comunhão de esforços, foram os responsáveis pela morte, mediante disparos de arma de fogo, da vítima Marcelo Gomes Cabral, entre o final da tarde e início da noite do dia 13 de janeiro de 2016, na rua Luísa Guimarães, próximo à Lagoa da Sapiranga, no bairro Lagoa Redonda. Eles aproveitaram a oportunidade que a vítima estava rendida em poder deles, para, mediante ameaça e violência, subtraírem o aparelho celular dela, bem como o veículo GM S-10 que lhe pertencia.

Para o representante do MPCE, a motivação do crime foi torpe, consistente na vingança, em razão de a vítima Marcelo Gomes Cabral, na manhã do dia 17/12/2015, na rua Barão do Rio Branco, Centro, ter se envolvido em um acidente que causou danos em dois veículos, um deles um veículo VW Polo, pertencente ao denunciado Waldenísio Nazário Batista Júnior, conhecido por JÚNIOR, e, depois, se recusado a pagar os prejuízos e fugido do local.

Os denunciados dissimularam que teriam interesse em fazer uma viagem – possivelmente dizendo-se que seria para o Interior do Estado –, e, para não levantar suspeitas, chamaram uma adolescente para que ajudasse nos contatos e fosse com o denunciado, Antônio Roberto, conhecido por Negão, até uma parada de ônibus que ficaria próximo ao condomínio Alpha Park, ponto em que combinaram de se encontrar para a partida.

Ao ser dado prosseguimento ao plano, a vítima Marcelo, sem desconfiar, parou o veículo no local combinado e, para que pudessem entrar, chegou a descer do veículo para tirar materiais escolares que estariam no banco traseiro, momento em que, a vítima foi rendida e conduzida, na sequência, até o local onde fora friamente executada, com três disparos na cabeça, fugindo os executores no próprio veículo GM S-10 subtraído e localizado pela Polícia Civil em frente a uma oficina.

Autor: Da redação com ascom/Foto: Divulgação