Defesa de Lula recorre ao STF e diz que Moro invadiu competência da Corte

259
São Paulo- SP- Brasil- 15/06/2015- O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez uma palestra, nesta segunda-feira (15), para uma comitiva de empresários franceses reunidos na residência consular da França em São Paulo. Eles foram convidados pelo cônsul francês, Damien Loras, para ouvir a análise do ex-presidente sobre a situação atual do Brasil. Os empresários participaram também de um debate na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Na apresentação, Loras relembrou que existem mais de 300 empresas francesas no Brasil, que empregam 600 mil brasileiros. Em sua apresentação, Lula reafirmou sua fé no potencial do Brasil. “Poucos países do mundo tem o potencial do Brasil”, defendeu. O ex-presidente ressaltou o ajuste está sendo feito pelo governo federal e o novo plano de investimentos em infraestrutura por concessões, que prevê investimentos de até R$ 190 bilhões no país. Lula ponderou que não é possível que em um país como o Brasil o Estado não seja uma alavanca do crescimento econômico. “O Brasil precisa retomar a capacidade de investimento e de convencimento em atrair investimentos. Nos últimos anos, o Brasil está entre os cinco maiores destinos de investimento estrangeiro direto. O Brasil e a França têm um potencial de trocas infinitamente maior do que o que existe hoje” O ex-presidente agradeceu a parceria e relação com os seus contemporâneos franceses: Jacques Chirac e Nicolas Sarkozy. E apontou a evolução do Brasil nos últimos 12 anos. “O Brasil mudou. A sociedade brasileira está mais exigente. Quem subiu um degrau na escala social não quer voltar atrás. Quem conseguiu entrar na universidade, agora quer melhores empregos. Quem fez uma viagem de avião, não quer mais andar de ônibus. Vocês sabem que tem gente que subiu na escala social, que está indo para Paris. As pessoas querem conhecer a Europa, e outros lugares do mundo. E no Brasil, essa ascensão social coincidiu com o cresc

Brasília

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recorreu novamente ao Supremo Tribunal Federal (STF). Os advogados querem que seja declarado que o juiz federal Sérgio Moro invadiu competência da Corte para julgar processos envolvendo Lula e investigados com foro privilegiado.

Na nova petição, a defesa alegou que Moro atuou ilegalmente nos processos ao afirmar que os áudios em que o ex-presidente conversa com autoridades com foro privilegiado tinham “relevância jurídico-penal”, além de autorizar o fim do sigilo das gravações e o compartilhamento em outros inquéritos e ações penais.

Saiba Mais

Moro nega pedido de Lula e mantém relatoria de investigação sobre sítio

Defesa de Lula recorre a conselho contra atuação de procuradores da Lava Jato

As interceptações da Polícia Federal foram autorizadas pelo juiz.

Em junho, o ministro Teori Zavascki remeteu ao juiz Sérgio Moro as investigações sobre o  ex-presidente na Operação Lava Jato e anulou a gravação, feita durante a operação, de uma conversa telefônica entre Lula e a presidenta afastada Dilma Rousseff.

A defesa também discordou do parecer no qual o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que não houve ilegalidades em outras gravações que fazem parte das investigações.

“Conclui-se, com o devido respeito, que o parecer ofertado pelo procurador-geral da República está lastreado em premissas equivocadas e não logrou afastar o óbvio cabimento e a clara procedência da presente reclamação”, acrescentou a defesa.

Autor: André Richter – Agência Brasil/ Foto: Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula