Coroinha de 13 anos contrai sífilis e acusa líder religioso de estupro em paróquia; suspeito foi diagnosticado com doença.

164

Caso ocorreu no município de Caravelas, no extremo sul do estado. Homem nega as acusações.

Um menino de 13 anos que é coroinha em uma paróquia da cidade de Caravelas, no extremo sul da Bahia, foi diagnosticado com sífilis, doença sexualmente transmissível, e acusa o líder dos coroinhas da igreja de ter abusado sexualmente dele. O crime teria ocorrido dentro da Paróquia de Santo Antônio e está sendo investigado pela Polícia Civil.

O suspeito é Vitor Marques Daniel, que tem a função de acólito. Segundo a polícia, exames constataram que ele tem sífilis, mas ele nega que tenha estuprado a vítima.

Conforme s polícia, o adolescente de 13 anos, que fazia parte do grupo de coroinhas da Igreja desde abril de 2017, teria contraído a doença depois do suposto crime. Ele relatou à polícia ao menos cinco abusos praticados por Vítor.

O garoto contou que os abusos aconteciam sob ameaça de morte a ele, a uma irmã de oito anos e a um primo. O adolescente ainda disse que o suspeito ofereceu quantias em dinheiro para que ele não denunciasse o caso.

Depois de começar a apresentar os sintomas da sífilis, o jovem teria contado a situação para a mãe, que acabou procurando o Conselho Tutelar.

A polícia disse que outro caso de abuso sexual envolvendo o mesmo líder dos coroinhas está sendo investigado, mas não passou mais informações sobre o ocorrido.

Autor: Da redação com G1 BA/Foto: Divulgação