Congresso leva cultura e conhecimento pelos rios da Amazônia

306

63229Encontro acontecerá em navio que seguirá até Oriximiná e reunirá professores brasileiros e estrangeiros

Uma expedição inovadora inicia nesta quinta feira (31) e segue até 9 de agosto pelos rios da Amazônia. É o 18º Encontro Ifnopap – Imaginário nas Formas Narrativas, Orais e Populares da Amazônia Paraense, promovido pelo Curso de Letras da Universidade Federal do Pará (UFPA) em parceria com a Faculdade Estácio FAP.

O congresso, que acontece dentro de um navio, sairá de Belém até o município de Oriximiná, no Oeste do estado. A iniciativa reúne diversos profissionais e pesquisadores das mais diversas áreas e cidades. Além de pesquisadores paraenses, o encontro reunirá ainda professores dos Estados Unidos, Itália, Portugal e da USP e também UNB. São Pesquisadores que estudam a Amazônia sobre diversos aspectos como a Geografia, a Linguística, Imaginário popular, Tecnologia, Biodiversidade entre outros.

Quatro alunos de Comunicação Social da Faculdade Estácio FAP, do Projeto Cartografias Amazônicas, que percorre vários municípios identificando a realidade cultural de cada povo, também estarão participando das atividades, sob a coordenação da professora Viviane Menna.

Durante a viagem, uma parada especial no município de Santarém para ministrar oficinas e apresentação de exposições. Chegando em Oriximiná, a aluna de comunicação, Lândia Assis, ministrará uma oficina de câmera obscura para a comunidade local, mostrando como é possível fazer fotografias com material que temos em casa.

A professora Viviane apresentará a exposição intitulada “Filho de Oriximiná – Uma festa que transforma o rio em céu estrelado”, composta por dez telas pintadas em aquarela sobre seda, que retratam a procissão fluvial noturna da festividade de Santo Antônio, que acontece entre os dias 1 e 5 de agosto. “Pintei essas telas na primeira vez que eu fui a Oriximiná, em 2000, e tive a oportunidade de presenciar esta festividade religiosa lindíssima. Então resolvi retratá-la e agora  estou voltando para mostrar ao povo a minha percepção em forma de pintura”, disse a professora.

Viviane Menna destaca ainda a importância de uma iniciativa como esta para a vida acadêmica. “Esse tipo de ação é tem uma importância gigantesca para a vida acadêmica. Primeiro pelo fato do aluno está convivendo com pesquisadores, trabalhando lado a lado, diariamente. Além disso, eles vão descobrir ainda mais a Amazônia e poder compartilhar um pouco de conhecimento com as comunidades ribeirinhas”, destacou.

A expedição retorna à capital paraense no dia 9 de agosto.