Com apoio da prefeitura de Iguatu projeto habitacional é aprovado no Ministério das Cidades

593

Iguatu será contemplado com programa habitacional, o ato está publicado no  Diário Oficial da União.

Para o representante da Imobiliária RE/MAX Vision de Iguatu, Efraim Cavalcante, o Projeto de 600 habitações “Iguatu de um Novo tempo I e II” foi uma “Captação” da Imobiliária RE/MAX Vision (Iguatu), para com a Construtora Elite (BA), o qual teve total apoio do prefeito Ednaldo Lavor e do vice-prefeito Marcos Sobreira, “Gostaria de dividir essa alegria e essa conquista com meus clientes, amigos e conterrâneos iguatuenses” explicou Efraim que acrescentou “São 600 famílias que receberão um novo lar” definiu.

Representante da Imobiliária RE/MAX Vision de Iguatu, Efraim Cavalcante

O prefeito Ednaldo Lavor parabenizou o empenho RE/MAX Vision pela articulação com o apoio da prefeitura junto ao Ministério das cidades “Sabemos a importância deste pleito e da obra para as famílias e estamos empenhados na sua execução. No entanto, dependemos da aprovação definitiva do projeto e financiamento, por parte da Caixa Econômica Federal. Estamos constantemente em contato com os técnicos da instituição financeira, buscando agilizar os trabalhos no que estiver ao nosso alcance, para que os recursos sejam liberados no menor tempo possível” destacou Ednaldo Lavor.

Prefeito de Iguatu, Ednaldo Lavor

No Diário Oficial

Agora é oficial, está no Diário Oficial da União, Iguatu foi contemplado com 899 moradias, as quais 600 unidades através da Imobiliária RE/MAX Vision, pela articulação em diversos setores e captação da Construtora Elite (BA) e do terreno atendendo todos os requisitos, importante informar o apoio incondicional da Prefeitura de Iguatu através do Prefeito Ednaldo Lavor, do Vice-prefeito Marcos Sobreira e dos Secretários Henrique Costa e Diego Brandão, o qual sem eles Iguatu não seria incluído pela 1ª vez no Programa MCMV faixa 1. Uma vitória pra todos nós!

O projeto

O projeto foi aprovado pelo Ministério das Cidades e já está na listagem das cidades contempladas, Iguatu nunca fez parte do MCMV 1, receberá 899 habitações das quais 600 tem a RE/MAX Vision como principal articulador

Empreendimentos deverão privilegiar critérios de urbanização, infraestrutura prévia e estar próximos de serviços públicos e centros urbanos.

Debaixo da lona

Em Iguatu cerca de 1.400 famílias lutam pela moradia própria, aonde o déficit habitacional chega a 12 mil e foram feito 6 mil cadastro feitos.

A primeira movimentação de ocupação teve inicio dia 31 de julho de 2015, no bairro João Paulo II, três mulheres iniciaram uma limpeza numa área pública destinada a uma quadra poliesportiva, porém na área só foi construindo o muro, aos poucos foram chegando famílias.

Ocupantes

Os ocupantes contam que tinham de fazer uma escolha: pagar o aluguel ou comer. Incapazes de lidar todo mês com o dilema, sair da moradia formal torna-se uma alternativa. As necessidades financeiras superam as inconveniências, como falta de saneamento básico, espaços pequenos e insegurança jurídica sobre a propriedade da própria casa.

A meta do governo federal

A meta, para 2017, é que sejam contratadas 170 mil novas unidades habitacionais para esta faixa do programa; 40 mil novas unidades para a faixa 1,5 (renda familiar de R$ 2.350 para R$ 2,6 mil) e 400 mil unidades para as faixas 2 e 3 (renda de R$ 3,6 mil para R$ 9 mil). Desse total, 100 mil unidades por meio do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR).

Para as novas contratações, o governo estabeleceu como pré-requisito que o município a ser beneficiado não pode ter empreendimentos paralisados no FAR. Com isso, a intenção é evitar problemas como a distância entre o imóvel e as cidades beneficiadas, a ocorrência de unidades vazias e a paralisação de obras, entre outros gargalos identificados pelo ministério.

Pelos novos critérios eliminatórios de seleção, serão priorizados os municípios com elevado déficit habitacional, propostas com empreendimentos próximos a centros urbanos, agências bancárias, lotéricas e pontos de ônibus. Serão excluídas cidades que tenham unidades concluídas e legalizadas há mais de 60 dias, com ociosidade superior a 5% do total contratado.

Autor/Fotos: Rogério Ribeiro