Ciganos garantem cadeira no Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial do Ceará.

155

Foram muitas articulações até chegar neste momento tão importante para o povo cigano do Ceará

Na tarde desta quinta-feira (23/08), representantes de Instituições com seus respectivos conselheiros e suplentes, juntamente com a comissão eleitoral e a coordenação Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Coepir), se reuniram para definir seus representantes para o biênio 2018-2020.

O objetivo do Coepir é assegurar os direitos da população negra, indígena, cigana, quilombola e das religiões de matriz africana. Para isso, o Conselho tem como uma de suas principais finalidades acompanhar e participar na elaboração de critérios e parâmetros para a formulação e implementação de metas e prioridades para assegurar as condições de igualdade racial.

A professora e Coordenadora Especial de Políticas Públicas para a Promoção da Igualdade Racial do Estado Ceará, Zelma Madeira, concluindo a sua missão parabenizou todos os conselheiros e destacou a importância do Conselho, que nasceu a partir da luta e organização da sociedade civil para fortalecer as políticas afirmativas no Estado do Ceará, conforme o disposto na Lei nº 15.953, de 14 de janeiro de 2016.

Ciganos no conselho

O presidente da associação de preservação da cultura cigana do Ceará-ASPRECCE, o cigano calon Rogério Ribeiro, no dia 9 de maio, participou ativamente da leitura do edital, naquela oportunidade a Asprecce com apenas sete meses de existência não teria como participar do processo de habilitação, uma vez que o edital pede dois anos de CNPJ, entre outras exigências.

Para não perder mais uma vez a cadeira dos ciganos na Coepir, a ASPRECCE se filou a Associação Comunitária dos Ciganos de Condado/PB- Ascocic, onde está habilitada a participar do processo, com os serviços e as ações prestadas pela ASPRECCE no Ceará, garante a cadeira no conselho. Tudo graças à boa articulação entre a Asprecce juntamente com a calin Maria Jane que é a presidente da ASCOCIC.

Para  o cigano Rogério Ribeiro, a existência do Coepir e a presença dos ciganos no conselho são importantes. “A população cigana do Ceará ainda sofre muito com o preconceito, a discriminação e a marginalização. Dentro do Conselho tenho a certeza de que poderemos contribuir muito. Com participação ativa, propostas com intuito de modificar essa realidade, inclusive no que tange ao combate do racismo institucional” destacou.

De acordo com Maria Jane, “O conselho é uma ferramenta muito importante para o povo cigano continuar avançando no Ceará. Essa parceria entre a Asprecce e a Ascocic é essencial” disse a calin. participaram do

Posse do conselho

O conselho será empossado no dia 20 de setembro, é um órgão colegiado composto por treze representantes, pela sociedade civil e treze por indicação governamental.

Presença

Além do Cigano Rogério Ribeiro e a calin Maria Jane, participaram da reunião os calons José Eudo e Carlos Antonio, a secretária da Asprecce, Renata Célia e a segunda secretária, a calin Maria Janiele.

Autor/Foto: AscomAsprecce